Este Blog
Este Blog
 
 
 
 

Ebook Grátis - De 11 a 13 de Janeiro

Este ebook é extremamente importante, sendo a única como investir binance avaliação disponível desse "movimento" em nossa nação. "O que precisamos não é Neocalvinismo, mas a antiga e clássica fé Reformada, que é escriturística, confessional e experimental".
Quer baixar o ebook? Clique na imagem!
 Clique na imagem

A Séria Alegria da Oração Cristã

De acordo com o falecido Herbert Lockyer, Sr. (1886-1984), em seu livro de 1959 Todas as Orações na Bíblia, há, excluindo comprar EOS os Salmos, 650 claras orações na Bíblia, 450 das quais têm claras respostas registradas a elas. Incluindo os Salmos (que são todas realmente orações) há um total de 800 orações nas Escrituras.

A Bíblia, portanto, está saturada de oração. As muitas pessoas piedosas que são achadas nas páginas dos Escritos Sagrados instintivamente olham para Deus a fim de suprir suas necessidades diárias, acalmar seus temores, vingá-los de seus inimigos e providenciar salvação do pecado. Isto acontece apenas pela graça de Deus o Pai, através do Senhor Jesus Cristo, no poder do Espírito Santo.

Como crentes, nós também deveríamos viver vidas impregnadas de oração. Contudo, nós, às vezes, oramos baseados em condições. Isto é algo que nosso Senhor, durante sua vida terrena, nunca fez. Nós frequentemente esquecemos como é precioso o dom que Deus nos deu ao prometer aos seus filhos ouvir nossas orações. A fé deveria nos levar ao trono da graça em oração. Como Calvino escreveu uma vez, “a fé não é verdadeira, a menos que assevere e traga à mente o mais doce nome do Pai – e mais, a menos que abra nossa boca para livremente clamar: “Abba, Pai” (Gl 4:6; Rm 8:15) (Institutas 3:13:15).

Há vários princípios vitais que a Bíblia nos ensina a lembrar acerca da oração. Será produtivo que os lembremos.


Figuras do Varão

O Projeto Os Puritanos oferece gratuitamente aos nossos visitantes o ebook "Figuras do Varão — Um diálogo fictício entre um jovem e o seu pastor sobre o uso de imagens ou figuras de Jesus". Numa linguagem simples, mas com fundamentação bíblica, um jovem cristão tenta, sem grande sucesso, esclarecimentos a respeito comprar a Litecoin no Portugal do argumento dado pelo seu pastor sobre a legitimidade do uso de figuras e representações do Senhor Jesus enquanto varão.

Baixe o arquivo, leia e medite sobre o assunto. Boa leitura!



Como ler os ebooks baixados da Amazon?

Para quem está com dificuldades com relação a baixar o livro, segue uma breve orientação.

1. Dirija-se à Amazon clicando aqui no link do ebook.
2. À direita da tela, observe um botão laranja num retângulo verde, clique nele.


3. Cadastre-se, caso ainda não tenha uma conta na Amazon.
4. "Compre" o livro "O modernismo...", sabendo que HOJE, dia 11.12/2013, não haverá qualquer custo, e sim um registro de compra por R$ 0,00.
5. Caso não tenha o aplicativo Kindle instalado em seu PC, smartphone ou tablet, baixe-o clicando aqui.
6. Seu Kindle deverá estar registrado com o mesmo email do seu cadastro Amazon.
7. O livro aparecerá, estando sincronizado, na sua biblioteca.
8. Para conferir o registro do seu email no Kindle, vá em Ferramentas-Opções, Registro; e verifique o email.

Qualquer dúvida, favor nos comunicar.
Agradecemos.

O Presbítero Regente - Samuel Miller - Lançamento

Na sua igreja há eleição de presbíteros?
Quais os deveres e qualificações exigidos deles?
Que implicações práticas isso trará à vida da igreja?

 O Presbítero Regente - Samuel Miller - Lançamento

Grande lançamento: Cristianismo e Liberalismo — J. Gresham Machen

 Considerado como a mais eficaz defesa do cristianismo clássico, na assim chamada “controvérsia modernista-fundamentalista”, o livro “Cristianismo e Liberalismo”, de J. Gresham Machen, sugere com ousadia que o protestantismo liberal não era um mero tipo de cristianismo diferente, mas totalmente uma outra religião. Essa é a razão do seu título provocativo.
"Considerado como a mais eficaz defesa do cristianismo clássico, na assim chamada “controvérsia modernista-fundamentalista”, o livro “Cristianismo e Liberalismo”, de J. Gresham Machen, sugere com ousadia que o protestantismo liberal não era um mero tipo de cristianismo diferente, mas totalmente uma outra religião. Essa é a razão do seu título provocativo".
— Dr. Michael Horton


Como meditar sobre a Glória de Cristo

POR RYAN MCGRAW

A meditação é um dever difícil. Muitos cristãos se debatem até com por onde começar. É particularmente importante para nós que meditemos sobre a pessoa e a obra de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, uma vez que contemplar a glória de Deus na face de Jesus Cristo é o principal meio pelo qual somos transformados de um grau de glória para outro (2 Coríntios 3.18). Em sua obra devocional, A Glória de Cristo, John Owen oferece cinco maneiras úteis de meditarmos sobre a glória de Cristo como uma Pessoa divina/humana. Nossa congregação em Conway considerou estas instruções particularmente úteis, então vou passá-las adiante com a esperança de que elas te ajudem em sua devoção por Cristo (você pode ler a seção completa em Owen, Works, 1, 312-322).

1. Considere que o conhecimento de Cristo como totalmente Deus e totalmente homem em uma Pessoa é o objeto mais útil de nossas contemplações e afetos (1, 312-314). A identidade de Cristo como o Deus-homem o coloca em uma posição única para tornar a sua redenção possível. Ele também revela a glória de Deus ao nosso entendimento de uma forma única.

2. Estudar diligentemente as Escrituras com o propósito deliberado de encontrar a glória de Cristo nelas (1, 314-316). As Escrituras afirmam que Cristo é o seu objeto central (Lc 24.26-27,45-46; 2 Coríntios 3.13-16). As três principais maneiras como Cristo é revelado no Antigo Testamento são por descrições diretas de sua Pessoa e de sua encarnação, por profecias sobre ele, e pelas cerimônias de adoração do Antigo Testamento (Owen ricamente desenvolve cada uma delas). Muitas vezes, os cristãos leem o Antigo Testamento de uma maneira que não é melhor do que a dos judeus. Mesmo que não vejamos Cristo em tudo no Antigo Testamento, devemos ter o cuidado de trazer o nosso conhecimento de Cristo conosco ao lermos o Antigo Testamento.

3. Medite frequentemente sobre o conhecimento de Cristo que você já obteve, tanto pelas Escrituras quanto de sermões (1, 316-317). Deixar de usar e de desenvolver o conhecimento de Cristo que já recebemos é o “erro fundamental” por trás da falta de crescimento espiritual entre tantos cristãos. Este é o erro de tratar as doutrinas de Cristo como fundamentais e básicas e, assim, acostumar-se com elas. Owen acrescenta que, embora não devamos nos isolar do mundo, devemos também amar a solidão. Sem qualquer padrão regular de solidão, a meditação sobre o Senhor Jesus Cristo é impossível.

Deixar de usar e de desenvolver o conhecimento de Cristo que já recebemos é o “erro fundamental” por trás da falta de crescimento espiritual entre tantos cristãos.

4. Não é suficiente confiar em horários fixos para a meditação, antes, deve-se pensar em Cristo em todas as ocasiões possíveis durante todo o dia (1, 317-320). Isto é particularmente importante durante os períodos em que Cristo “retira-se” de nossa “experiência espiritual”. Se nós sabemos o que é eventualmente “perder” Cristo, então devemos nos confortar com o fato de que isso significa que sabemos o que é verdadeiramente ter comunhão com ele. Quando os confortos da comunhão com Cristo diminuem, devemos buscá-lo com o desespero de um homem sedento em busca de água. Cristo age desta forma para o nosso bem, uma vez que sua ausência aumenta nossa dependência dele e o fervor com que o buscamos. A verdade é que Cristo está sempre perto de nós, mas “os principais atos da vida de fé consistem na frequência de nossos pensamentos sobre ele” (1, 319).
5. Acompanhe aos seus pensamentos sobre Cristo a admiração, a adoração e ações de graças (1, 320-322). Quanto mais contemplamos nosso Senhor divino/humano, mais perceberemos que ele está além dos limites da nossa compreensão. Isto deve levar-nos a amar o Senhor Jesus Cristo com todas as faculdades de nossa alma. No céu, vamos exercer todas as faculdades de nossas almas, simultaneamente, no culto e serviço de Cristo, mas neste mundo, o nosso entendimento e a nossa força estão incompletos.

Portanto, às vezes, nossos pensamentos sobre Cristo devem levar à admiração, outros à adoração, e outros ainda à ação de graças de acordo com a nossa compreensão e nossa capacidade. Você nunca deve perder de vista o fato de que o propósito para o qual conheceu a Cristo é a adoração.

Você nunca deve perder de vista o fato de que o propósito para o qual conheceu a Cristo é a adoração.

Owen fecha esta seção com o lembrete útil de que a meditação sobre a glória da Pessoa de Cristo só ocorre no contexto de um mente espiritualmente viva. Esta é uma ideia importante. Talvez uma razão pela qual a meditação seja tão difícil para nós é que não fixamos a mente nas coisas do alto – onde Cristo está assentado à destra do Pai – em tudo o que colocamos nossas mãos (Colossenses 3.1-2). A meditação sobre a glória de Cristo é uma interrupção chocante e dolorosa quando nossas mentes estão treinadas a correr pela nossa desgastada rotina terrestre.

Jamais nos esqueçamos de que somos peregrinos e estrangeiros no mundo! Jamais sejamos surpreendidos com uma dificuldade pela mentalidade celestial deste lado da glória! Vamos fazer uso dos meios que nos auxiliam a contemplar a glória de nosso Salvador mais plenamente! E que possamos nos achegar ao nosso Pai celeste, que é capaz e está pronto para ajudar-nos a meditar sobre a glória do seu Filho por meio do poder do Espírito Santo!

Traduzido por André Lima | Reforma21.org | Original aqui

A Família na Igreja – Dr. Joel Beeke

A FAMÍLIA NA IGREJA
Neste livro, o Dr. Beeke nos dá conselhos valiosos e criteriosos sobre como ouvir a pregação e a necessidade da oração corporativa. Temos visto a qualidade experimental dos escritos de Joel Beeke — uma qualidade que nunca se esquiva da base teológica e exegética. Este ebook é rico em aconselhamento pastoral, oportuno no enfoque bíblico e afetuoso na fervente exortação
• Como preparar nossas famílias p/ o culto público
• Como receber a Palavra pregada
• Como  colocá-la em prática
• O mandado bíblico e histórico p/ reuniões de oração
• Os propósitos das reuniões de oração
• Como implementá-las em nossas igrejas

Dr. Derek H. W. Thomas

A Aliança das Obras


Achamos na Bíblia dois tipos de aliança:
(a) Aliança de obras (trabalho) e então, salário. Neste tipo de aliança, alguém tem de fazer um tipo de obra para ganhar um tipo de salário. Seria assim: Obra, obra, obra e depois salário. É este tipo de aliança que veremos agora.
(b) Aliança de graça e então, gratidão. Em lugar de obra e salário, temos a graça seguida de gratidão. Nela Deus vem e diz: Aqui está uma dádiva, tome-a, deleite-se com ela e veja como você pode mostrar sua gratidão por ela! Este conceito não é muito familiar aos homens. Não vemos muito deste tipo de atitude hoje. De fato, este é um conceito desconhecido hoje. Trabalho e depois salário nós entendemos, mas graça e depois gratidão, disso nada entendemos. Mas as pessoas que viveram na época bíblica estiveram bem familiares com este conceito de graça-gratidão. Arqueólogos têm descoberto muitas antigas alianças entre as nações daquela época e elas tinham cinco partes...




Nossa Herança Reformada: O justo viverá por fé

Neste sermão publicado como ebook, o Dr. Joel Beeke fala sobre a importância da Reforma Protestante sob a perspectiva história e sua fundamental importância para os dias atuais. Ele assim começa a sua fala:
Com a ajuda de Deus pedimos a atenção de vocês para Romanos 1:16-17: “Pois não me envergonho do evangelho porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego; visto que a justiça de Deus se revela no evangelho, de fé em fé, como está escrito: O justo viverá por fé”.
Nosso foco hoje será na última parte do verso 17, e desejamos considerar com você Nossa Herança Reformada como o Justo Vivendo pela Fé. Nós vamos considerar a doutrina do justo vivendo por fé:
1. Como fundamental para o rompimento da Reforma.
2. Como fundamental para a continuação da Reforma.
3. Como fundamental para o reavivamento nos dias atuais da verdade da Reforma.


Imitando os Nossos Anciãos

Imitando os Nossos Anciãos — Guy Prentiss Waters
18 de Julho de 2013 - Vida Cristã

O antigo filósofo grego Sócrates é regularmente citado como tendo dito: “Os filhos hoje amam o luxo; não têm boas maneiras, menosprezam as autoridades; desrespeitam os mais velhos e dão preferência às conversas ao invés de exercitarem-se. Os filhos hoje são tiranos e não servos de seus lares. Eles já não levantam-se quando os mais velhos entram na sala. Eles contradizem seus pais, tagarelam diante das visitas, devoram as guloseimas à mesa, cruzam as pernas e tiranizam seus professores”. A citação acima é certamente apócrifa, mas ela ressoa com a experiência humana das gerações. Ao longo da história, as gerações mais velhas olharam por cima de seus óculos com reprovação em relação aos valores e o caráter da geração mais jovem.

Quando o casamento azeda, o que você faz?

Neste pequeno ebook Jay Adms dá as respostas através de um fictício diálogo entre um casal em crise e um conselheiro cristão.
Phil e Emily não vieram para encontrar ajuda na resolução dos problemas no casamento, embora tenham ligado para o capelão para pedir aconselhamento matrimonial. Realmente, suas mentes já estavam feitas — eles tinham decidido obter o divórcio. Todavia, eles eram Cristãos e sabiam que o divórcio era errado visto que não tinham fundamentos bíblicos para ele. Não tinha havido nenhum adultério, nenhuma deserção; somente “um enorme sofrimento”. “Se pudermos apenas fazê-lo concordar que continuar neste casamento é uma impossibilidade”, eles pensaram, “então talvez ele seja capaz de nos mostrar como em nosso caso Deus fará uma exceção à Sua lei”. Era assim que eles estavam raciocinando internamente quando no primeiro encontro contaram sua estória para o Capelão Cunningham...




Você já foi batizado com o Espírito Santo?

Você foi batizado com o Espírito Santo? Alguma vez alguém já o desafiou com esta pergunta? Boa parte da igreja cristã nesta última metade do século XX tem enfatizado o batismo com o Espírito Santo. Algumas das igrejas que mais crescem no mundo hoje falam da necessidade dos crentes serem batizados com o Espírito. Na África, onde eu moro, muitas pessoas estão sendo confrontadas com esta pergunta. A alguns tem sido dito: “Vocês não podem ser salvos se não falarem línguas!” Alguém já lhe fez esta pergunta: “Você já falou em línguas? Você já foi batizado no Espírito Santo? Que sinais você tem para demonstrar que já foi batizado no Espírito?”. Vejamos o que as Escrituras nos ensinam...









Oito Razões Por que os Homens não creem no Evangelho

Foi ocasionalmente no ano em que o Senhor misericordiosamente salvou-nos a ambos, que meu pai me disse: “Se uma pessoa realmente entendesse o evangelho, não vejo como poderia rejeitá-lo”. Seu argumento era que se apenas pudéssemos fazer o evangelho absolutamente claro, todo mundo, forçosamente, o aceitaria. O nosso pastor estava pregando uma série maravilhosa de sermões em Romanos, tornando clara a justificação pela fé e a total suficiência da cruz de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Nós pensamos que, se apenas este evangelho salvador de Romanos 1.16 pudesse ser colocado exatamente tão claro para todos os homens, todo coração receberia alegremente o evangelho.